terça-feira, 13 de abril de 2010

Prenúncios de uma morte delicada

Nada de novo
A mesma dança pendular do ânimo
Delicado e vacilante
Perfeito pesar de noite quente
Quente meu corpo coração latente
Desejando o encontro perene
Questiono vulgaridades para remédio
Trêmula de vontade dilacerante
Hesitante-limite desconcertante!
Construo um edifício daquelas pedras
Altivo e inatingível, erguido sobre areia
Alicerce da cal noturna...
E ali, moro eternamente
Descanso serenamente
Vassalos demônios dormentes
Sonho...sozinha!

Nenhum comentário:

Postar um comentário