segunda-feira, 12 de abril de 2010

Limitada


E é dentro de um corpo-carne- limites
Debatem-se a vontade e a expressão finita
Demasiado limitada expressão
Capacidade tolhida...
Tenho o impulso e a viva coragem
Impedem demônios e cadeias em círculos
Como paredes muros repetidos- a mesma dança
Se quebro as correntes derroto carrascos
Se rebelo se corro se fujo
Se me rendo cansada
Terão vida as fronteiras que não ultrapasso?
Passo a curto passo fino traço
Faço retrocedo e escondo enfim, inútil
Terão vida as fronteiras que desconheço
?

Nenhum comentário:

Postar um comentário