quinta-feira, 29 de abril de 2010

Cadeia

Cadeia

Apenas calo e deixo a porta bem fechada
Sem trancas neste silencio cultivado-induzido
Hoje chaga, amanha alegria altiva
Sempre latente-pêndulo!
Uma linha, uma cadeia biológica
Arrastando-se no tempo
E,hoje, em batalha feroz!
Conduta cativa de um padrão-não!
Grito!
Clamo!
Quero desfazer essa teia
Ultrapassar esses vícios
Queimar tudo quanto insiste
Nessa doença vassala
Desse sangue submisso

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Te vejo tanto em suas palavras,que de certa forma servem como um espelho pra mim. ;)

    ResponderExcluir